19 de janeiro de 2012

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: CRESCIMENTO ESTATURAL DEFICIENTE; A DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH) É CARACTERIZADA POR UMA COMBINAÇÃO DE ANORMALIDADES

ANTROPOMÉTRICAS, CLÍNICAS, BIOQUÍMICAS E METABÓLICAS, CAUSADAS, DIRETAMENTE, PELA SECREÇÃO DEFICIENTE DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (GH).

E, indiretamente, pela redução na geração de hormônios e fatores de crescimento gh dependentes, que são corrigidas pela adequada reposição com gh recombinante humano (hgh), quanto mais precocemente se trata a deficiência do crescimento de forma precoce e acelerado, mais proximo chegara de sua capacidade genética adequada e programada pelo organismo. Se existe algum trauma que teve seu princípio ainda intra- útero, será em uma incógnita que a criança ou o futuro adulto só terá conhecimento com seu desenvolvimento e sua percepção ao longo do tempo, esta é caracterizada por sua baixa estatura relevante e que não tenha dúvida, pois, em tendo capacidade de poder crescer naturalmente ou sob estímulo externo com crescimento proporcional, terá imensa repercussão por sua existência e será sem dúvida a opção lógica do indivíduo de ambos os sexosCaso os responsáveis ou pais se furtarem de darem esta oportunidade única e limitada pelo tempo, serão cobrados “ad eternum”. O tratamento da baixa estatura (BE) por DGH tem como objetivo atingir boa altura na vida adulta; permitir uma rápida (acelerado) normalização (catch-up) do crescimento; atingir pico de massa óssea satisfatório; permitir à criança qualidade de vida satisfatória; permitir que a criança entre na puberdade (induzida ou espontaneamente) com uma altura normal, ou atingir uma altura que permita uma puberdade normal.
Estes objetivos, atualmente considerados, não incluem outras condições importantes, como perfil lipídico ou seja colesterol total, LDL –colesterol mal , HDL colesterol bom, triglicérides, e alterações do IMC propriamente dito e composição corpórea. A transição para a vida adulta deve merecer cuidados especiais. O paciente deve ser encorajado manter-se sob cuidados do endocrinologista ou neuroendocrinologista até que cesse o crescimento linear no caso da menina e por pulsos no caso dos meninos, em outras palavras, cheguem a estatura final relevante e acompanhada bem como a maturação sexual e que a secreção de GH seja reavaliada. O crescimento acelerado é aquele em que o individuo apresente dentro da normalidade, sem as doses exageradas incompatíveis com sua deficiência, mas adequado por não ocorrer interrupções aleatórias, pois poderá antecipar o fechamento da cartilagem de crescimento programada geneticamente, ou seja, não resolve o paciente efetuar exageros desproporcionais, mas perseverança e bom senso até o objetivo ideal e relevante final.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930


Como Saber Mais:
1.O hormônio de crescimento HGH - por DNA Recombinante é desenvolvido por engenharia genética de última geração, com efeitos negativos desprezíveis ... 


2. Os efeitos colaterais da aplicação do HGH –hormônio de crescimento desde a fase pós natal até a fase adulta não apresentar praticamente nenhum efeito colateral significativo...


3. O HGH – hormônio de crescimento quando bem indicado traz bons resultados tanto para meninas como para meninos...


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
Stephen Kemp, MD, PhD, Professor do Departamento de Pediatria, Setor de Endocrinologia Pediátrica da Universidade de Arkansas e Arkansas Children's Hospital. Editores: Arthur Chausmer B, MD, PhD, FACP, FACE, FACN, CNS, professor da pesquisa da filial, Bioinformática e Biologia Computacional Programa, Faculdade de Ciências Computacionais; C, Principal / A Informática, LLC; Francisco Talavera, PharmD, PhD, Senior Farmácia Editor, eMedicine; T George Griffing, MD, Diretor da Divisão de medicina interna geral, professor do Departamento de Medicina Interna, St Louis University.


Contatos:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305 
Nextel: 55(11) 7717-1257 
ID:111*101625 
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122 
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002 
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com 
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com 
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio:
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/



Site Van Der Häägen Brazil 


Google Maps:

18 de janeiro de 2012

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A IMPORTÂNCIA DE SE TRATAR A ESTATURA DA CRIANÇA OU DO ADOLESCENTE , SENDO ELA DE QUE ORIGEM FOR.

Você olha para seus colegas de classe, se compare, e se sente a menor pessoa em sua classe? Meninos e meninas que são mais baixos se comparados com a média da estatura de seus colegas de classe se sentem deslocados - como por exemplo rapazes que amadurecem mais cedo podem se sentir estranhos ao necessitarem se barbear antes dos outros colegas de classe, ou meninas que começam a apresentar seus períodos menstruais antes que as demais colegas de classe podem se sentir estranhas. Na maioria dos casos, os adolescentes que são menos desenvolvidos estão se desenvolvendo fisicamente mais lentamente que os demais amigos. Ou talvez tenham parentes de 1ª, 2ª, 3ª gerações, etc. com estatura media inferior à media da população em geral, e eles podem geneticamente receber esta influência de seus antepassadosOcasionalmente, porém, pode haver uma razão médica pela qual algumas pessoas crescem mais lentamente que o habitual. Crianças e adolescentes crescem e passam a puberdade em momentos diferentes. Para as meninas, a puberdade começa geralmente entre as idades de 8 e 13 anos. Para os meninos, muitas vezes, começa um pouco mais tarde - entre os 10 e os 15 anos de idade. Nas meninas suas formas vão se tornando mais arredondadas na altura dos quadris e das mamas porque começam a se desenvolver por estímulos dos hormônios sexuais. Normalmente, após 2 anos do início do desenvolvimento das mamas elas começam a menstruar. O pênis e os testículos dos meninos crescem e os dois, os meninos e as meninas apresentam crescimento dos pêlos nas áreas pubianas e axilares. Os meninos geralmente começam a apresentar maior massa muscular, e alterações de suas vozes. Alguns adolescentes se desenvolvem muito mais cedo do que os seus amigos, é a chamada puberdade precoce, enquanto outros se desenvolvem muito mais tarde que as outras pessoas da mesma idade, que é chamado atraso da puberdade. Crianças e adolescentes podem não crescer tão rápido quanto os seus colegas, por muitas razões. Se você é baixo, você pode apenas ter estatura familiar baixa (genética).
Em outras palavras, os pais que apresentam estatural inferior à media da população tendem a ter filhos baixos. Se um médico examiná-lo e você não apresenta nenhum distúrbio de crescimento e está em constante crescimento e maturação sexual na idade habitual esperada, então você pode provavelmente esperar a crescer a uma estatural média normal, embora você possa ser um pouco menor que a média. Adolescentes que apresentam atraso de crescimento constitucional, crescer a um ritmo normal quando eles são crianças jovens, mas eles ficam para trás quando do seu desenvolvimento puberal e seu surto de crescimento, até depois que a maioria de seus colegas já atingiu a estatura media normal para a população. Pessoas que têm atraso de crescimento constitucional são muitas vezes referidas como pessoas que apresentam crescimento tardio. Se uma criança ou adolescente parece ter retardo no crescimento constitucional, um médico pode pedir raios-X de idade óssea e compará-los com raios-X do que é considerado médio para essa idade, por ex., no atlas do método de Greülich & Pyle. Adolescentes com retardo no crescimento constitucional tendem a ter a idade óssea mais jovens do que a idade cronológica, ou seja, a que é esperada para sua idade. Esses adolescentes terão um surto de crescimento final e continuarão crescendo e se desenvolvendo até uma idade mais tardia. Não ingerir as quantidades adequadas de proteínas, calorias e outros nutrientes em sua dieta também pode causar crescimento lento, bem como uma série de outras condições médicas crônicas, tais como rim, coração, pulmão, e doenças intestinais.Pessoas com anemia falciforme também podem crescer e se desenvolver mais lentamente. Seguindo o plano de tratamento elaborado com hormônio de crescimento - HGH – DNA – Recombinante ou somatotrofina, obtido através de engenharia genética, um endocrinologista pode ajudar adolescentes com problemas de saúde ou deficiência de crescimento alcançar um padrão de crescimento mais normal, ou mesmo otimizar o crescimento para os que não apresentam deficiência de hormônio de crescimento – HGH, até o que está geneticamente determinado.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologista e Neuroendocrinologia
CRM: 20611

Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologista e Medicina Interna
CRM: 28930


Como Saber Mais:
1. Meninos e meninas que são mais baixos se comparados com a média da estatura de seus colegas de classe se sentem deslocados… 

2. Na maioria dos casos, os adolescentes que são menos desenvolvidos estão se desenvolvendo fisicamente mais lentamente que os demais amigos… 


3. Para as meninas, a puberdade começa geralmente entre as idades de 8 e 13 anos. Para os meninos, muitas vezes, começa um pouco mais tarde - entre os 10 e os 15 anos de idade…


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Obesidade (2010) 18 5, de 1021-1025. doi: 10.1038/oby.2009.354
Catriona Syme, Abrahamowicz Michal, Amel Mahboubi,
T. Gabriel Leonard , Michel Perron, Louis Richer,
Suzanne Veillette, Daniel Gaudet, Tomas Paus, e Zdenka Pausova.
Brain e Centro do corpo, da Universidade de Nottingham, Nottingham, Reino Unido
Division de Epidemiologia Clínica, McGill University, Montreal, Quebec, Canadá.J Pediatr Clin Endocrinol. 2010 Jun; 23 (6) :535-51.
Revisão sistemática da eficácia clínica de (somatropina) em crianças com curta estatura. Loftus J, R Heatley, C Walsh, Dimitri P.


Contatos:
Fones: 55(11)5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11)7717-1257
ID:111*101625
Rua: Estela 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
Emails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio


Site Van Der Haagen Brazil


Google Maps:

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO.

O crescimento da criança é um parâmetro importante na pediatria para acompanhar o desenvolvimento físico normal, até a idade adulta, este é um dos campos de estudo de crescimento estatural dos seres vivos.
O acompanhamento do crescimento pode envolver vários fatores: Ao considerarmos o crescimento infanto – juvenil – adolescente temos que avaliar; peso; tamanho; circunferência da cabeça; circunferência da cintura. O peso do corpo humano é mais freqüentemente expresso em quilogramas (kg) ou livro em alguns países anglo-saxões. Em comparação com outros dados de antropometria (tamanho e circunferência), o peso é a variável que mais se modifica entre os indivíduos. O peso de um indivíduo é determinado pela interação dos genes e meio ambiente. O peso ao nascimento de um ser humano é em média de 3,5 kg. O ganho de peso é rápido durante o primeiro ano, chegando a 25 g / dia durante o primeiro trimestre, 20 g / dia durante o segundo trimestre, 15 g / dia durante o terceiro trimestre,12 g / dia durante o quarto trimestreA criança duplica o seu peso de nascimento aos 5 meses e triplica no prazo de um ano. No segundo ano, o ganho de peso é de apenas 8 a 10 g / dia e o peso de nascimento quadruplica com a idade de dois anos. Com 1 ano o peso é por volta de 9,7 kg, aos 2 anos o peso é de 13,2 kg, aos 3 anos é de 15,2 kg, e aos 4 anos é de 16,7 kg. A Distribuição de massa corporal: para termos uma idéia da proporção de nosso organismo, precisamos levar em consideração as áreas individuais que compõe nosso corpo. Na verdade a substância mais abundante em nosso corpo é a água, mas antes temos que considerar nossas macro áreas funcionais, sem as quais não existimos, e os setores que nos faz seres viventes pela formação do ovo ou zigoto, que se transformará em feto, de feto em recém nascido, criança na 1ª infância até os 2 anos de idade, a 2ª infância dos 2 anos até à pré-puberdade, puberdade, adolescência, e daí adulto jovem. No adulto a água em nosso organismo tem as seguintes proporções: O esqueleto é composto de 15% de água do peso total (este percentual diminui gradativamente após os 50 anos). A massa muscular é composta de 35% de água em homens, 28% em mulheres. A gordura é composta por 13% de água em homens e 20% em mulheres. A massa visceral é composta de 28% de água. O sangue é composto de 7 a 8%de água. A pele e tegumento são compostos por cerca de 1% de água. Os humores (fluidos, secreções) são compostos por cerca de 2% de água. O corpo de um adulto saudável, com tamanho de corpo normal, contém cerca de 56% de água, ou seja, cerca de 40 litros de água para uma pessoa de 70 kg. A percentagem de água no corpo diminui com a idade: 97% no feto. 80% no recém-nascido. 75% em recém-nascidos. 70% em crianças. 61% no adulto masculino (magro: 70%, peso médio: 60%, obesos: 50%) e 51% em adultos do sexo feminino (magra: 60%, peso médio: 50%, obesas: 40%), 45% em idosos. A distribuição não é uniforme de acordo com os órgãos: é de 80% no cérebro, 75% no músculo, 50% nos ossos.Para os adultos, o IMC é igual ao peso (em kg) dividido pelo quadrado da altura da pessoa (em metros quadrados). Exemplo: 75 kg (1,75 m) ² =75 kg (3,0625) = 24,49 kg/m2. Um IMC entre 18,5 e 25 é considerado normal em adultos. De 25 a 30, falamos de excesso de peso (sobrepeso). Além de 30, falamos de obesidade. De 35 a 40, falamos de obesidade grave e, acima de 40, obesidade mórbida. O IMC é apenas uma ferramenta entre muitas, que não deve e não pode ser usada sozinho. Uma estimativa do percentual de gordura corporal também é representativa, muitas vezes, mais especialmente para os atletas.


AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologista – Neuroendocrinologia 
CRM:20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologia – medicina interna 
CRM:28930

Como Saber Mais:
1. Ao considerarmos o crescimento infanto – juvenil – adolescente temos que avaliar; peso; tamanho; circunferência da cabeça; circunferência da cintura... Http://crescersim.wordpress.com/


2. O peso ao nascimento de um ser humano é em média de 3,5 kg. O ganho de peso é rápido durante o primeiro ano, chegando a 25 g / dia durante o primeiro trimestre, 20 g / dia durante o segundo trimestre,15 g / dia durante o terceiro trimestre,12 g / dia durante o quarto trimestre...


3. A distribuição não é uniforme de acordo com os órgãos: é de 80% no cérebro, 75% no músculo, 50% nos ossos...


Referências Bibliográficas: 
Prof. Dr. João santos caio jr diretor científico, dra. Henriqueta verlangieri caio, diretora clínica – van der häägen brazil, são paulo – brasil.latner jd, stunkard aj. Piorando: a estigmatização das crianças obesas. Obes res. 2003, 11: 452-456; neumark-sztainer d, story m., faibisch estigmatização l. Perceived entre sobrepeso africano-americanos e caucasianos meninas adolescentes. J adolesc health. 1998, 23: 264-270; neumark-sztainer d, story m, harris t. Atitudes e crenças sobre a obesidade entre os professores da escola e dos prestadores de cuidados de saúde com adolescentes que resultados obtêm. J nutr educação. 1999; 31: 3-9; r puhl, brownell kd. Preconceito, discriminação, e obesidade. Obes res. 2001; 9:788-805.


Contatos:
Fones: 55(11) 5087-4404 Ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257 
Id:111*101625
Rua: Estela, 515 – Blocod -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - Sp - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Google Maps:

ESTATURA ANORMALMENTE BAIXA NA INFÂNCIA, DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM CRIANÇAS: ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA:

ESSA DEFICIÊNCIA DEVE SER CORRIGIDA ASSIM QUE NOTADA PARA EVITAR AS SUAS CONSEQUÊNCIAS.

Estatura anormalmente baixa na infância é devido à deficiência ou falta de hormônio do crescimento. causas de deficiência ou falta de hormônio do crescimento: o hormônio do crescimento (somatotrofina) é produzido na glândula pituitária (hipófise) que está localizada na base do cérebro.
Diferentes hormônios produzidos no cérebro mandam mensagem ao hormônio de crescimento de quanto é necessário produzir. O hormônio do crescimento entra na corrente sanguínea e estimula o fígado a produzir um hormônio chamado fator de crescimento da insulina (IGF-1), que desempenha um papel chave no crescimento infantil. Uma estatura anormalmente baixa na infância (os chamados de baixa estatura) pode ocorrer se houver produção insuficiente de hormônio de crescimento. Na maioria das vezes, não é uma causa clara da deficiência do hormônio do crescimento: A deficiência do hormônio de crescimento pode ser congênita, ou seja, estar presente ao nascimentoOu também pode se desenvolver após o nascimento, como resultado de um tumor cerebral, lesão ou doença. Crianças com defeitos físicos da face e do crânio, como lábio leporino ou fenda palatina são mais propensas a ter diminuição dos níveis de hormônio do crescimento. A deficiência do hormônio de crescimento geralmente não é transmitida de pais para filhos. Apesar de rara, a deficiência do hormônio de crescimento também pode ser diagnosticada em adultos e algumas possíveis causas incluem: Tratamentos de radiação para câncer no cérebro. Problemas hormonais envolvendo a glândula pituitária (hipófise) ou hipotálamo. Graves ferimentos na cabeça. Dentre alguns sintomas temos: Crianças com deficiência de hormônio do crescimento têm uma taxa de crescimento lenta, geralmente menos de 2 polegadas (5 cm) por ano. O crescimento lento pode não aparecer até que a criança tenha de 2 a 3 anos de idade. A criança será muito menor do que a maioria das crianças da mesma idade e sexo. Em crianças novas a fisionomia pode aparentar menos idade e geralmente são gordinhas. Em crianças mais velhas, a puberdade pode ser tardia. Alguns exames e testes que podem ser efetuados nessas crianças: Usa-se uma curva de crescimento para comparar a estatura atual da criança e determinar o quão rápido ele está crescendo em relação a outras crianças da mesma idade e sexo.Um exame físico, incluindo peso, altura e proporções do corpo vão dar sinais de crescimento mais lento. A criança não segue as curvas de crescimento normal. Vários testes são usados ​​para ajudar a diagnosticar deficiência do hormônio de crescimento e suas causas: Arginina teste e hormônio liberador de gonadotrofina (HCG). Crescimento dos níveis hormonais no sangue. Estimulação do hormônio do crescimento teste. Teste de tolerância à insulina (PTI, muitas vezes utilizados para o diagnóstico em adultos). Testes para medir os níveis de hormônios produzidos pela hipófise. Ou exames radiológicos de imagem que podem incluir o seguinte: Determinação da idade óssea através do RX. A radiografia da mão (geralmente esquerda) pode determinar a idade óssea. Normalmente para se verificar o tamanho e a forma dos ossos. Estas mudanças podem ser vistas em uma radiografia e, geralmente, seguem um padrão como uma criança cresce. Medição dos níveis de hormônio de crescimento e de ligação às proteínas (IGF-1 e IGFBP-3, por sua sigla em Inglês) irá mostrar se o problema de crescimento é causado por um problema da glândula pituitária. Uma ressonância magnética da cabeça pode mostrar o hipotálamo e a hipófise.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. Estatura anormalmente baixa na infância é devido à deficiência ou falta de hormônio do crescimento...


2. A deficiência do hormônio de crescimento pode ser congênita, ou seja, estar presente ao nascimento. Ou também pode se desenvolver após o nascimento...


3. Usa-se uma curva de crescimento para comparar a estatura atual da criança e determinar o quão rápido ele está crescendo em relação a outras crianças da mesma idade e sexo...


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
Prof. Dr.João Santos Caio Jr, Endocrinologista,Neuroendocrinologista, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Endocrinologista, Medicina Interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil, Brian Stabler Ph.D. - Chapel Hill, Carolina do Norte.USA. Agras, WS et al . "Os fatores de risco para o sobrepeso na infância: um estudo prospectivo do nascimento até os 9,5 anos." J Pediatr. 2004; 145 (1) :20-25.Durmer, JS et al . "Medicina do Sono Pediátrica." Continuum Neurol. 2007; 13 (3): 158.Taheri, S. "A ligação entre a duração do sono curto e obesidade: devemos recomendar mais horas de sono para prevenir a obesidade." Arch. Dis. Criança. 2006; 91; 881-884. Vorona, R. et al . "Os pacientes com sobrepeso e obesidade em um relatório Primary Care População dormir menos do que pacientes com índice de massa corporal normal." Archives of Internal Medicine. 10 de janeiro de 2005. 165:25-30 vol.


Contatos:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/


Google Maps:

17 de janeiro de 2012

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A REPOSIÇÃO COM HGH HORMÔNIO DE CRESCIMENTO POR DNA RECOMBINANTE DESENVOLVIDO POR ENGENHARIA GENÉTICA

É DE  SIGNIFICAÇÃO IMPORTANTE DESDE A FASE DA CONSEPÇÃO, INFATO JUVENIL, CRIANÇA, ADOLESCENTE, E PARA QUE O FUTURO ADULTO.

Mantenha uma densidade mineral óssea boa principalmente na fase adulta jovem; portanto a reposição da deficiência do hgh é efetuada precocemente em crianças, não se limita apenas no crescimento, mas no amadurecimento do sistema nervoso central (snc) como melhora da cognição, raciocínio, memória e atividade intelectual, dependendo do estilo de vida pode ajuda-lo inclusive em ter um estado controlado da obesidade, mas devemos considerar a genética embora possa ser feito uma perguta desconsertante; na época dos meus pais não existia os mesmos recursos atuais, quem me garante que se tivessem feito tratamento para crescimento meus pais não teriam outras estaturas e eventualmente não seriam baixosA COGNIÇÃO é o conjunto dos processos mentais usados no pensamento e na percepção, também na classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas. De uma maneira mais simples, podemos dizer que cognição é a forma como o cérebro percebe, aprende, recorda e pensa sobre toda informação captada através dos cinco sentidos, estas implicações serão perpetuadas enquanto tivermos vida normal. A descontinuação da reposição da deficiência do hormônio de crescimento (HGH) após a conclusão do crescimento linear, pode afetar a densidade mineral óssea (DMO) em adultos jovens, que na infância apresentavam deficiência do hormônio de crescimento (HGH) e faziam sua reposição. Ao analisarmos o impacto do tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) no osso em jovens adultos que na infância apresentavam deficiência do hormônio de crescimento (HGH) e faziam a reposição. A densidade mineral óssea (DMO) na coluna lombar (L2-L4), fêmur e corporal inteiro foi medida no início e após 24 meses em adultos jovens com idades entre 18 a 25 anos que apresentavam deficiência grave do hormônio de crescimento na infância tratada com reposição do hormônio de crescimento (HGH) durante infância. Os jovens adultos foram tratados de forma aleatória (randomizados), sendo que alguns receberam o hormônio de crescimento (HGH) e outros receberam uma substância inócua. Após 24 meses, a densidade mineral óssea (DMO) da coluna lombar aumentou significativamente nos pacientes tratados com o hormônio de crescimento (HGH) do que naqueles que receberam a substância inócua. O hormônio de crescimento (HGH) também teve um efeito positivo significativo na densidade mineral óssea do fêmur. A densidade mineral óssea do corpo inteiro manteve-se inalterada desde o início. Nos adultos jovens que apresentavam deficiência grave do hormônio de crescimento na infância tratados com reposição do hormônio de crescimento (HGH) desde a infância, há um efeito positivo ao tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) contínuo na densidade mineral óssea na vida adulta. Vinte e quatro meses de tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) em jovens adultos foi associado com um maior aumento na densidade mineral óssea da coluna lombar em comparação com os controles, que são aqueles que fizeram uso de substância inócua. Não se esqueça que existem outros fatores que foram a partir do final da década de 80, agregado a experiência cientifica e clinica, que de uma substância apenas indicada para o crescimento infanto juvenil, seus horizontes se alagaram com tal intensidade para adultos e pessoas da melhor idade.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. É importante a reposição do hormônio de crescimento para quem apresenta deficiência grave desde a infância este aspecto poderá influenciar meu futuro... 

2. A descontinuação da reposição do hormônio de crescimento, quando atingida a estatura esperada, interfere na densidade mineral óssea quando adulto jovem ou afetara meu racicionio através da diminuição da cognição... 

3. Melhora o nível do bom-colesterol com a diminuição da gordura visceral ou intra abdominal ou central...


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.


Referências Bibliográficas:
Dr. João Santos Caio Jr. Diretor Cientifico, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Diretora Clinica – Van Der Häägen Brazil –São Paulo – Brasil.
GS Conway , Szarras Czapnik-M , K Racz , Keller A , Chanson P , M Tauber  M Zacharin ; 1369 GHD GHDA; Departamento de Endocrinologia e Diabetes, Hospitais da Universidade College London, 250 Euston Road, London NW1; Eur J Endocrinol. 2009 Jun; 160 (6) :899-907.


Contatos:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com 


Site Clinicas Caio


Site Van Der Haagen Brazil

Google Maps: